Indígenas isolados são avistados em incêndio florestal no Maranhão

Amazonas Agora

Três indígenas isolados do povo Awá foram avistados durante o combate a um incêndio florestal que consome há dois meses a Terra Indígena Araribóia, no Maranhão. Segundo informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), o grupo de isolados fugiu ao perceber o contato visual. O fato ocorreu na segunda quinzena de agosto e foi divulgado no último dia 2.

Segundo informações dos brigadistas, que também são indígenas, o grupo de isolados era formado por uma senhora, um jovem e uma criança que também estavam tentando combater o incêndio. De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), as informações sobre o fato são desencontradas. Técnicos do órgão já se deslocaram ao local para qualificar as informações e orientar as equipes de campo.

60 brigadistas atuam no combate ao incêndio.  Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

60 brigadistas atuam no combate ao incêndio. Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

“As chamas estão correndo nos mesmos lugares do ano passado e em novas áreas. Tanto que o fogo chegou nos isolados. Os avistamos a primeira vez há uns 15 dias, e agora novamente, mas dessa vez estavam batendo no fogo. Então cresceu”, disse um brigadista ao Cime.

Em 2015, a Arariboia sofreu um dos maiores incêndios florestais em terras indígenas já registrado no Brasil. Mais de 50% da área, ou 220 mil hectares (ha), foi transformado em cinzas. Para combater a situação, foi montada a Operação Awá, que envolveu mais de 300 pessoas. Na época, a Funai chegou a cogitar a possibilidade de fazer contato com os isolados para evitar o pior.

A Terra Indígena Araribóia tem mais de 413 mil hectares e abrange os municípios de Buriticupu, Arame, Amarante do Maranhão, Bom jesus das Selvas, Grajau e Santa Luzia. Estima-se que 12 mil indígenas Guajajara vivam no local além de 80 isolados Awá-Guajá.

Situação persiste em 2016

Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em 2016, as ações de combate aos incêndios que atingem a região no período de estiagem na Amazônia foram intensificadas no mês de julho.

Desde dia 8 de agosto, uma operação com mais de 60 brigadistas do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama) atua para combater o novo incêndio que atinge 18% dos 413 mil hectares da Terra Indígena. Ainda segundo o Ibama, para evitar o contato com os isolados, foi necessário desmontar um dos acampamentos avançados do Prevfogo.

Por: Portal Amazônia