Orçamento de Trump aumenta gastos militares e corta verba para meio ambiente

Internacional

A proposta orçamentária dos Estados Unidos para 2018, apresentada hoje (16) pelo presidente Donald Trump, quer incrementar os gastos militares, diminuir os recursos para programas de ajuda externa e eliminar o envio de dinheiro do país para o Fundo Verde das Nações Unidas, verba destinada a amenizar as mudanças climáticas. Internamente, a proposta também traz um corte de recursos para a Agência de Proteção Ambiental (EPA).

Por outro lado, a proposta de Trump dá um aumento de US$ 52 bilhões para o Pentágono. E destina parte da verba a programas nucleares. Além disso, o texto aumenta os recursos para combater o grupo extremista Estado Islâmico, aumentar o contingente militar norte-americano no Oriente Médio e promover investimentos em equipamentos para a Força Aérea e a Marinha.

As chamadas Operações de Contingência no Exterior terão um fundo de US$ 12 bilhões para financiar gastos extraordinários em zonas de guerra.

Ambiente prejudicado

O orçamento de Trump prevê corte de 31% dos recursos destinados à Agência de Proteção Ambiental e retira o financiamento voltado para questões vinculadas às mudanças climáticas, eliminando o Plano de Energia Limpa – que concentrava iniciativas para a redução da emissão de dióxido de carbono – e prevendo cortes em programas sobre qualidade da água e ar.

A redução em programas de ajuda externa será de pelo menos 28% e, além de suspender a ajuda para o Fundo Verde da ONU, outros financiamentos que eram destinados ao organismo multilateral também serão afetados, como ações de intercâmbio cultural.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA aparece na nova proposta com aumento de quase 7% dos seus recursos, que devem ser usados especialmente para coibir a imigração ilegal e incrementar deportações. Ao todo, US$ 5,1 bilhões serão destinados à a construção de um muro na fronteira dos EUA com o México, divididos para este ano e o ano que vem.